10 dicas para melhorar suas fotos de viagem

Em tempos de smartphone e câmeras cada vez mais avançadas, registrar o dia a dia de uma viagem é praxe. Afinal, parte da diversão também é poder olhar as fotos com calma depois e reviver o momento. Mas se você gosta de fotografia e quer ir além do registro básico, então confira essas dicas para melhorar suas fotos de viagem.

São 10 pontos falando um pouco sobre pesquisa, luz, composição e enquadramento. Coisas que aprendi na prática (ou melhor, na marra) e também estudando. Tem alguma sugestão, dúvida ou quer trocar uma ideia sobre fotografia e viagens em geral? Então deixe um comentário que eu ficarei feliz em conversar 🙂

Crédito de todas as fotos: Carolina Leal/Eu me Aventuro

Confira 10 dicas para tirar fotos de viagens cada vez melhores

1) Pesquise sobre o seu destino já pensando na fotografia

Um dos primeiros passos para tirar fotos de viagem melhores é já se preparar para isso antes mesmo de viajar. O planejamento pode ser muito útil na hora de fotografar, assim como é em outros aspectos da viagem. Portanto, pesquise sobre o seu destino e faça isso com um olhar fotográfico.

Se estiver indo para uma cidade, por exemplo, pense se aquele monumento, praça ou parque poderiam render fotos legais. Informe-se sobre pontos que podem oferecer uma perspectiva diferente, mesmo que às vezes não sejam tão turísticos. Um mirante, por exemplo, ou um restaurante com uma vista legal para a cidade. Calcule qual, possivelmente, vai ser o melhor horário para estar lá. Seria durante o fim de tarde, para garantir uma luz bonita e suave? Ou logo que determinada atração abre, pra pegar o lugar mais tranquilo?

Vista da Plaza de Armas de Cusco, no Peru. O local de onde a foto foi tirada era bem pouco turístico, mas fomos até lá mesmo assim por causa da vista

Se você vai fazer uma trilha ou vai para algum local de natureza, adote a mesma postura. Procure por outras fotos do lugar para entender que vistas e perspectivas ele proporciona. Descubra onde o sol vai nascer ou se por (há aplicativos que podem te ajudar com isso, como o Focalware, Sun Surveyor  e PhotoPills). Caso você vá para uma montanha com uma vista bonita, por exemplo, o interessante pode ser acordar cedo e fotografar o amanhecer. Já se você vai para uma praia com mar azul, talvez a melhor opção seja fotografar quando o sol estiver a pino, para valorizar a cor do oceano.

E, claro, não deixe de conferir o que outros turistas e fotógrafos estão registrando no local. Dê a clássica busca de imagens no Google e busque também pela localização ou hashtags no Instagram. Veja quais são os ângulos mais populares, aqueles que todo mundo fotografa. Procure pensar em como você poderia fazer diferente, mas também não deixe de garantir sua própria foto tradicional. Afinal, muitos locais são clichês por um motivo, né?

2) Garanta a melhor luz: saia cedo e volte tarde

Fotografias marcantes tem tudo a ver com garantir a luz ideal. E, normalmente, a luz ideal surge no começo e no fim do dia. Portanto, prepare-se para sair cedo e voltar tarde. Especialmente quando se trata de fotos na natureza, poucas coisas superam fotografar durante as chamadas hora azul (“blue hour”) e hora dourada (“golden hour”). Se você não faz ideia do que isso seja, fique tranquilo que já vamos explicar.

A hora azul ocorre um pouco antes do amanhecer e logo depois do entardecer, quando o sol está abaixo do horizonte. Nesses momentos, a atmosfera ganha um belo tom azul que varia do claro ao escuro. É uma tonalidade que não se repete em nenhum outro horário e ocorre por um curto período de tempo. Pode ser o momento ideal para vários tipos de fotografia, garantindo tons neutros e um ar de tranquilidade à imagem.

Já a hora dourada ocorre um pouco depois do amanhecer e um pouco antes do entardecer, quando o sol está começando a se erguer ou a baixar no horizonte. É quando a luz do dia fica mais suave, com tonalidades que variam do dourado ao vermelho, laranja e rosa. É uma luz difusa e de pouco contraste, que produz sombras suaves. Muitos consideram essa a luz ideal para fotografia de paisagem, além de ser ótima também para retratos.

Embora essas “horas mágicas” sejam perseguidas por muitos fotógrafos, é claro que ótimas fotos de viagem podem ser produzidas a qualquer hora do dia e da noite. No entanto, elas são um bom norte para quem busca aprimorar suas imagens. Caçar a luz ideal, afinal, é uma das essências da fotografia.

3) Conheça e aplique a Regra dos Terços

A Regra dos Terços é uma das técnicas mais famosas e importantes quando se fala de composição em fotografia. Para começar, basta dividir uma imagem como se fosse um “jogo da velha”, com duas linhas horizontais e duas verticais. Para ver as linhas, passe o mouse sobre as imagens que vamos usar como exemplo.

Menina de família de tecelãs no lago Inle, no Mianmar

Os pontos de intersecção entre as linhas são os pontos para os quais naturalmente direcionamos mais o olhar. Portanto, é nesses pontos que você deve enquadrar os elementos para os quais quer dar mais destaque.

Outra possibilidade para a divisão em terços é usar as linhas como guias de onde posicionar o horizonte. Evite deixar o horizonte bem centralizado na foto. Se você acha que ele merece destaque, posicione-o mais próximo da linha inferior. Assim, ele ocupará dois terços da imagem. Caso ele não adicione tanto valor à foto, faça o contrário. Posicione o horizonte mais próximo da linha superior, destacando o restante da imagem.

Ilha do Mel, Paraná

Ilha de Gili Meno, Indonésia

A maioria das câmeras, incluindo as de celular, permite que você ative as linhas no visor para usar como guia na hora de fotografar. Essa opção normalmente é chamada de grade ou “grid”. É uma boa opção para começar a se acostumar com a regra dos terços, mas não é imprescindível. Mesmo sem as linhas no visor, basta lembrar que o mais interessante para a composição de uma foto pode ser deixar o elemento principal mais para o canto da imagem, sem centralizá-lo.

E, claro, como toda regra, essa também está aí para ser quebrada de vez em quando. Não se sinta preso ao padrão dos terços. Em algumas fotos, você verá que ficará mais legal dar destaque à simetria, por exemplo. Portanto, siga também a sua intuição e criatividade, e experimente com diferentes composições.

4) Busque outros ângulos e perspectivas

Agora que você já conhece a Regra dos Terços, comece também a brincar mais com diferentes ângulos e perspectivas. Muitas vezes, dar um passo atrás ou ir para um local um pouco mais elevado podem mudar completamente uma foto.

As fotos que eu estava tirando no primeiro ângulo não estavam me agradando. Então, resolvi subir em uma ponte que havia no local pra tirar essa segunda foto, de cima pra baixo. Assim sim o resultado ficou mais de acordo com o que eu buscava, além de ter mudado completamente a perspectiva.

Um bom treino é simplesmente se movimentar. Caminhe, olhe ao redor, se abaixe, erga a câmera, suba em um local mais elevado. Observe os elementos à sua volta, como uma vegetação, por exemplo, e teste acrescentá-los à imagem. Enfim, procure sempre olhar para o cenário de maneira a buscar ângulos diferentes.

Da mesma forma, lembre-se de testar tanto fotos mais próximas quanto mais distantes do foco do seu interesse. De maneira geral, quando estamos começando na fotografia temos uma tendência de mantermos uma certa distância daquilo que estamos fotografando. Isso acontece, principalmente, quando fotografamos pessoas. Em paisagens amplas isso pode ser interessante para dar uma noção de escala, mas é bom não ficar preso a esse padrão. Portanto, não tenha medo e aproxime-se.

Acima de tudo, novamente a principal dica que podemos dar para as suas fotos de viagem é: experimente.

5) Privilegie um bom enquadramento

Outra forma de experimentar com a composição de uma fotografia é procurar um bom enquadramento. Para isso, tenha sempre em mente o elemento principal da sua imagem. Como você pode enquadrá-lo de forma que ele ganhe mais destaque?

Uma possibilidade, aliás, é usar o que estiver ao seu redor para te ajudar nessa tarefa. Pense, por exemplo, em árvores, muros, portas e janelas. Todos eles podem ser usados de forma a dar o enquadramento que você precisa.

Eu, por exemplo, amo acampar. Sinto um prazer e uma expectativa enormes quando, ao acordar, começo a abrir o zíper da barraca sabendo que uma paisagem bonita me espera lá fora. Para tentar transmitir um pouco dessa sensação, procuro experimentar com enquadramentos de dentro da barraca.

Você pode fazer o mesmo em qualquer tipo de fotografia, não só com fotos de viagem. Basta curiosidade e um olhar atento para usar a seu favor o que estiver ao seu redor.

6) Procure por linhas que podem direcionar o olhar

Nem sempre percebemos com clareza, mas há linhas em tudo que vemos. Na fotografia, quando elas são bem usadas ajudam a harmonizar e organizar a composição. Além disso, têm o papel de destacar aquilo que é importante na foto. Na próxima vez que você for fotografar, que tal tentar incorporar esse elemento de forma consciente nas suas imagens?

Comece, por exemplo, procurando por curvas e retas (verticais, horizontais e diagonais) que possam direcionar o olhar de quem vê a imagem. Você vai encontrá-las em vários tipos de ambiente, tanto urbano quanto naturais. Pense, por exemplo, em ruas, prédios, faixas de pedestre, escadas etc. Ou então em traçados de rio, curvas de praias, trilhas, nuvens, árvores, dentre outros.

Uma outra dica é em relação à linha do horizonte, que tem como função principal dividir a imagem. Lembre-se de sempre deixar o horizonte alinhado bem retinho na horizontal, e não torto. A maioria das câmeras, inclusive as de celular, tem uma opção para visualizar a grade de linhas no visor. Assim, você pode checar na hora se o horizonte está alinhado. No entanto, muitas vezes também é possível ajustar isso depois em programas de edição de fotos.

7) Fotografe também os detalhes

Além das fotos amplas, das paisagens e dos retratos, numa viagem é sempre legal registrar também os detalhes. Assim, nós mostramos o lugar (e lembramos depois, ao rever as fotos) com um pouco mais de riqueza e variedade.

Para isso, basta realmente prestar atenção aos detalhes. Por exemplo, destaques na arquitetura, as cores das frutas, os padrões de uma calçada, os pequenos elementos da natureza. Fotografe aquelas conchinhas e pedras na praia ou as flores na trilha. Lembre-se de se aproximar e fazer fotos mais fechadas, registrando essa riqueza local.

Sozinhas, essas fotos podem ficar muito “soltas” e não fazer tanto sentido para quem não conhece o lugar. Mas, junto com outras fotos da mesma viagem, ajudam a contar a história de forma bem mais completa.

8) Adicione elementos que deem noção de escala e dimensão

Muitas vezes, especialmente ao fotografar paisagens amplas, nós esquecemos que as fotos quase nunca reproduzem a real dimensão do lugar. Afinal, imagens são uma reprodução bidimensional, e não capturam tudo que ajuda a dar noção de escala na vida real. Cabe ao fotógrafo, então, procurar incluir no quadro elementos que deem essa noção de dimensão.

Preste atenção ao que está no primeiro plano, no meio e no fundo da foto. Digamos que você esteja fotografando um lago ou uma montanha, por exemplo. Que elementos você pode incluir para dar contexto e escala? Há alguém na beira do lago, alguma pedra ou animal que ajude a mostrar as dimensões da paisagem? O mesmo vale para monumentos, prédios e outros cenários da vida urbana.

Lembre-se que o objetivo é fazer com que a foto não fique “chapada”. Tome cuidado apenas para não incluir muitos elementos e acabar poluindo a imagem.

9) Inclua pessoas nas suas fotos

Essa é uma dica alinhada com a anterior: inclua pessoas nas suas fotografias. Elas ajudam a dar a noção de escala mencionada no item acima, mas vão muito além disso.

Incluir pessoas na imagem dá um ar mais emocional para as fotos. Além disso, faz com que quem está vendo a foto consiga se imaginar naquele lugar. Dessa forma, você consegue passar com mais clareza os sentimentos e a mensagem que quer transmitir com a imagem. Digamos que fica mais fácil contar uma história com as suas fotos se elas incluírem um fator humano.

Dentro desse contexto, lembre-se também de conversar com os moradores locais dos lugares que você visita. Afinal, a interação com a cultura local é uma parte fundamental de qualquer viagem. Uma troca de experiências amigável e respeitosa pode render uma memória super legal, e fotos de viagem igualmente legais.

10) Tenha paciência para as fotos, mas também relaxe e curta a sua viagem

Fotografia, de fato, requer paciência. Às vezes você está no lugar certo, na hora certa. No entanto, muitas outras vezes você vai ter que esperar pelo melhor momento para fazer a foto que deseja.

Perdi as contas de quantas vezes esperei horas por um entardecer ou amanhecer para garantir que o local que eu queria fotografar estaria com a luz ideal. Sem falar nos muitos minutos passados buscando o melhor enquadramento, ou nos malabarismos corporais para fazer uma foto de uma perspectiva diferente. E quando está aquele frio lascado lá fora, e você acorda às 5h da manhã só pra ver (e fotografar) um nascer do sol? Tudo isso requer paciência e boa vontade, sua e de quem estiver viajando com você.

Mais até do que paciência, isso exige que você faça da fotografia uma prioridade na sua viagem. E nem sempre você vai estar afim de ir tão longe. Às vezes a gente quer só curtir o momento, sem se preocupar tanto com a foto. E tudo bem! Afinal, não adianta ter fotos perfeitas e viver o momento de maneira estressante. O mais importante é aquilo que levamos na memória e no coração. Por isso, mais do que tudo, simplesmente curta a sua viagem! Registre aquilo que tiver vontade, o que te tocar e te motivar a tirar o celular ou a câmera da bolsa. Pode ter certeza que essa alegria e espontaneidade também vão se refletir nas suas fotos.

2 Responses

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *